Buscar
  • Nutty Ramos

Saúde e Qualidade de Vida Infantil: Habilidades Sociais (HS) e suas contribuições.



Sabe-se hoje que as Habilidades Sociais (HS) estão intrinsecamente relacionadas à saúde e ao bem estar das crianças, permitindo que elas desenvolvam relações mais harmoniosas e bem-sucedidas em diversas situações da vida sejam familiares, escolares ou pessoais. Isso porque as HS representam o estilo de ser e de se comunicar do infante, que é expresso por um conjunto de comportamentos que favorece a satisfação de suas necessidades no meio em que vive, bem como a convivência com pessoas próximas. 


  As habilidades sociais englobam condutas como: oferecer e pedir ajuda, tolerar frustrações, reconhecer emoções e sentimentos, compartilhar, seguir regras, fazer e aceitar elogios e buscar soluções, atitudes que levarão a relações mais saudáveis, com menores riscos de rejeições e stress no futuro. Por conseguinte, quanto antes se desenvolverem, melhor funcionarão como fator protetivo contra a ocorrência de dificuldades de aprendizagem.


  Os principais teóricos do desenvolvimento infantil como Vygotsky, Wallon e Piaget trouxeram consenso no meio da Psicologia no sentido de que as crianças necessitam de diferentes estímulos do meio como o afeto, a educação, o lazer, os amigos e o brincar para o seu desenvolvimento saudável, contudo, estes elementos não são suficientes, uma vez que o bem estar da criança advém em grande parte da alegria e satisfação dos pequenos com sua capacidade pessoal de se relacionar. Sucede que no decorrer de seu crescimento nem sempre a criança consegue atingir de modo satisfatório estas habilidades, o que pode resultar em consequências negativas como atitudes e comportamentos pouco efetivos junto às pessoas e aos ambientes que convive. 

   Pesquisas acadêmicas na área da Psicologia e do comportamento humano (Argyle, 1980, Bronfenbrenner,1996, Del Prette & Del Prette, 2005)  constatam  que estas habilidades podem ser adquiridas e transmitidas desde a infância, gerando maior conhecimento da criança sobre si e autocontrole sobre suas emoções e reações, tratando-se de um processo que, uma vez incorporado, expande e influencia todas as dimensões física, mental, emocional e cognitiva.

   Dentre as principais fontes de influência estão a família, a escola e a cultura esta última representada pelos filmes, televisão, vídeo games, música e literatura. Nestes microssistemas a criança busca e recebe “modelos” por meio de regras, papéis sociais e valores explícitos e implícitos de como se comportar e agir com o outro em sociedade. Por conseguinte, o desempenho futuro da criança e seu funcionamento interpessoal estão inter-relacionados com múltiplos aspectos observados e assimilados de seu cotidiano.

 A orientação aos Pais e Professores, a pronta identificação de problemas e, principalmente, a adoção de medidas preventivas possibilitam a melhora da qualidade de vida, com redução do stress, lançando mão de uma atuação assertiva e criativa pela família e criança. Dito isto e considerando que algumas orientações simples podem melhorar em muito o desenvolvimento dos pequenos, deixamos aqui algumas dicas simples de como conviver diariamente com os filhos, netos, sobrinhos, alunos, etc. Sinta-se livre para aplicá-las em seu dia a dia com as crianças e compartilhá-las com outros adultos:

  • A Pessoa próxima é sempre um modelo a ser seguido... Lembre-se que a criança aprende pelo que você faz e não pelo que você diz.

  • Evite frases e comportamentos agressivos de intimidação e hostilidade.

  • Evite concordar com tudo que a criança deseja ou, ainda, aparentar que não escutou o que ela disse ou pediu.

  • Olhe para a criança quando falar com ela e, caso a situação permita, abaixe-se até a altura de seu rosto.

  • Ajude a criança a falar o que está sentindo e o que deseja.

  • Expresse suas opiniões e decisões com olhar e voz firmes.

  • Peça colaboração da criança para atividades dentro da capacidade dela.

  • Observe se o estilo da criança interfere em outras áreas de convivência.



  Havendo dúvidas de como proceder  peça auxílio, inclusive buscando um profissional habilitado. Um Psicólogo/a será capaz de avaliar a situação e apresentar as informações e orientações necessárias, podendo até mesmo criar um programa de atividades específico ao seu caso, a fim de trabalhar estratégias direcionadas a habilidades de comunicação, resolução de problemas, empatia, cooperação e assertividade.

  Segundo os Doutores em psicologia Zilda e Almir Del Prette, as Habilidades Sociais na Infância são representadas através atributos como:

  • Autocontrole e expressividade emocional

  • Lidar com críticas

  • Civilidade

  • Empatia 

  • Assertividade:

  • Fazer amizades:

  • Resolução de problemas

   Auxiliar seus filhos no desenvolvimento de suas Habilidades Sociais permitirá que eles se conheçam melhor, identifiquem seus limites e potenciais, desenvolvam suporte pessoal e  autoconfiança para desfrutar de  uma vida com bem estar e saúde. 


BIBLIOGRAFIA:


Del Prette, Z. A. P. e Del Prette, A. D. (2005). Psicologia das Habilidades Sociais na Infância: teoria e prática. Petrópolis: Vozes

Vygotsky, L. S. (1999). O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes. 

WALLON, H.A evolução psicológica da criança. Lisboa: Persona, ed. 70 (s/d), 1968 (Originalmente publicado em 1941).

http://www.scielo.br/pdf/paideia/v18n41/v18n41a08  [acessado em 7 de abril de 2017}

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2005000200006 [acessado em 16 de maio de 2017].

https://www.researchgate.net/publication/222028748_Happiness_and_social_skills   [acessado em 25 de maio de 2017].

14 visualizações

Telefones

(41) 3019 - 1992

(41) 9 9151 - 1000

(41) 9 8760 - 9219

  • Preto Ícone Instagram
  • Preto Ícone Facebook
  • Preto Ícone LinkedIn

Segunda à Sexta Feira: 8:00h às 20:00h

Endereço

Av. Anita Garibaldi, 850, Edifício Infinity Prime Offices, Torre 3 (Success), sala 602 - Cabral, Curitiba - PR, 80540-180